Scrum: O que é isso? Um pequeno guia para o Scrum Master

Se você é, assim como eu, marinheiro de primeira viagem nessa loucura que é a cultura ágil, você já deve ter se deparado com o Scrum e com o Scrum Master.

Se você, assim como eu, é marinheiro de primeira viagem na cultura ágil, você já deve ter se deparado com o Scrum. Mas afinal de contas, o que é esse Scrum? São tantas reuniões e pessoas envolvidas, como que isso pode ser ágil? Quem é esse tal de Scrum Master? O Scrum é um Framework voltada para a gestão de produtos, também podendo ser utilizado em projetos e processos, ele nos ajuda a lidar com problemas complexos e entregar mais valor. O que acontece é que o Scrum nos permite ser criativos e trabalharmos de forma mais dinâmica e flexível, o que nos torna mais adaptáveis a diferentes situações. Tendo como o principal responsável pela sua manutenção o Scrum Master, que falarei mais a frente.

Pilares

Para que funcione bem o Scrum possui três Pilares, são eles: Transparência, Inspeção e Adaptação. A transparência se dá através da comunicação, e ela está presente em diversos momentos. A inspeção garante a qualidade das entregas, sendo aplicada diversas vezes antes da entrega final. E a adaptação vem dos diferentes caminhos que o projeto pode tomar dependendo das alterações de demandas durante o percurso do time.

Papéis

Há três Papéis no Scrum, o primeiro é o Scrum Master, o guardião da metodologia, responsável por garantir o acontecimento dos rituais do Scrum, remover impedimentos que o time possa ter e desenvolver a independência do time para que consigam desenvolver soluções sozinhos. Em seguida temos o Product Owner, também conhecido como dono do produto, ele é responsável por definir as atividades do time, esclarecer dúvidas relacionadas a execução do projeto e também por garantir a qualidade final das entregas. Por fim, e não menos importante também há o Time de Desenvolvimento que possuem como responsabilidade o desenvolvimento das tarefas e entregar o produto, gerando incrementos a cada novo ciclo, eles devem ser auto-organizáveis e multi-funcionais, possuindo as habilidades necessárias para completar as tarefas.

Rituais

Com os papéis definidos entramos agora nos Rituais, que garantem a excelência do projeto. São estes a Sprint, que é o período de tempo no qual o time irá executar as tarefas, o Grooming, voltado para a discussão e construção das tarefas com P.O. e o time, a Planning, onde o time estipula o esforço que vai gastar em cada tarefa, a Daily, que promove o alinhamento do time a respeito de seu progresso, a Revisão, onde o time apresenta o que foi executado na sprint para o P.O. e demais interessados, e por fim a Retrospectiva, voltado para a auto-avaliação do time a respeito dos resultados da Sprint que se encerra.

Artefato

Os Artefatos são outras metodologias que ajudam o scrum a funcionar de forma ainda mais eficiente, como exemplo temos o Kanban, que ajuda na organização o progresso das tarefas, o Planning Poker, uma forma gamificada de pontuar as tarefas, o gráfico de Burndown, que representa a relação do trabalho com o tempo, dentre outros. O Scrum pode ser difícil de dominar, mas com o tempo você começa a perceber como ele é simples de entender. E a cada novo ciclo das Sprints tudo vai ficando mais claro. Os papéis são bem definidos, os rituais possuem objetivos claros e os artefatos entregam o valor necessário. Isso garantir que tudo converse e convirja para a excelência da entrega do time. Nos dias 14,15 e 16 de Setembro haverá o ScrumCamp Masters. O evento será voltado para o aprendizado da metodologia e o desenvolvimento do Scrum Master, você vai ficar de fora dessa? Inscreva-se clicando aqui ou no banner do evento abaixo. Mas se está ansioso para saber mais, acesse os outros textos do nosso blog aqui.

Inscreva-se na nossa newsletter

Vamos te enviar os melhores insights
Oops! Something went wrong.
Não se preocupe, não vamos te mandar SPAM!